Covid-19: nenhum estado apresenta taxa de ocupação de leitos de UTI superior a 90%

Pela primeira vez desde o início de dezembro de 2020, nenhum estado apresenta taxa de ocupação de leitos de UTI Covid-19 para adultos no SUS superior a 90%, é o que indica o Boletim Observatório Covid-19 da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), publicado na quarta-feira (14). Os indicadores de incidência e mortalidade do mês de julho também apresentaram queda pela terceira vez consecutiva. 

Segundo o pesquisador do Observatório Fiocruz Covid-19, Raphael Guimarães, a vacinação tem feito diferença e traz reflexos positivos ao quadro pandêmico. “A progressão da cobertura vacinal hoje na população tem permitido que a gente consiga evitar ou então reverter adequadamente, principalmente os casos graves, e impedir as fatalidades. Então, a gente acredita que tenha relação com a vacinação”.

O número de casos e de óbitos vem caindo há três semanas em cerca de 2% ao dia, mas ainda permanece em alto patamar. A taxa de letalidade foi mantida em torno de 3%, percentual considerado elevado.

O boletim mostra que quatro estados permanecem na zona de alerta crítico, com mais 80% dos leitos ocupados. A pior situação é a de Santa Catarina (82%), seguida por Goiás (81%), Paraná (81%) e Distrito Federal (80%).

Em nota, a secretaria de Saúde do Distrito Federal informou que vem trabalhando para a redução da taxa de ocupação de leitos de UTI e tem ampliado a vacinação de acordo com a disponibilização de doses pelo Ministério da Saúde. A pasta informou também que a rede pública do DF dispõe de 422 leitos de UTI exclusivos para pacientes com Covid-19.

Na capital federal, 1.103.249 pessoas tomaram a primeira dose da vacina contra o coronavírus, 381.193 a segunda dose e 40.491 receberam a dose única. Com relação ao número de casos, foram registrados 439.981. No total, 424.224 estão recuperados e 9.434 evoluíram para óbito.

Covid-19: estados pretendem diminuir o intervalo entre doses das vacinas

Vacinação reduz ocupação de UTIs nos estados para menos de 90%

Covid-19: Queiroga estima que metade da população brasileira vai receber as duas doses da vacina até setembro

De acordo com a Fiocruz, quatro capitais brasileiras estão com taxas de ocupação de leitos de UTI Covid-19 iguais ou superiores a 80%: São Luís (81%), Rio de Janeiro (81%), Goiânia (92%) e Brasília (80%). 

A secretaria de Saúde de Goiânia esclareceu à reportagem que tem mantido taxas de ocupação de leitos de UTI para tratamento de Covid-19 abaixo de 80% nas últimas semanas. Os números de casos e mortes também sofreram queda e com o avanço da vacinação, a expectativa é de que diminuam ainda mais. A pasta reforça que o município já aplicou 861.751 doses da vacina contra a Covid-19 e que 51,68% da população a partir de 18 anos já recebeu pelo menos a primeira dose do imunizante. De acordo com a pasta, até o dia 14/07 a taxa de ocupação de leitos de UTI para Covid estava em 76%. 

Doze capitais estão fora da zona de alerta: Porto Velho (57%), Rio Branco (24%), Belém (48%), Macapá (52%), Natal (53%), João Pessoa (40%), Recife (50%), Maceió (55%), Aracaju (50%), Salvador (52%), Vitória (54%) e Florianópolis (53%).

Segundo Raphael Guimarães, medir a taxa de ocupação de leitos é importante para mensurar as respostas ao tratamento para os casos que necessitam de internação. “Nós temos duas questões: primeiro, qualquer alívio, qualquer respiro que a redução de casos traga para nós, ela repercute na verdade na questão da taxa de ocupação dali umas três, quatro semanas, porque isso é o curso natural da própria doença. Então, se hoje a gente observa uma redução de casos, só conseguimos ver os que não estão aparecendo mais graves algumas semanas depois.”

Vacinação

Ainda de acordo com o pesquisador da Fiocruz, a vacina possui capacidade limitada de bloquear a transmissão do vírus, sendo necessário uma cobertura em torno de 70%. “A vacina é uma ótima alternativa para reduzir casos graves ou fatais, mas o principal propósito da vacina não é necessariamente impedir a ocorrência de todos os casos, a gente não vai conseguir ter uma conta zerada de casos novos, em nenhum momento. Então é importante que a gente compreenda que para poder, de fato, conter definitivamente a pandemia, precisamos progredir com a vacina, aumentar a cobertura vacinal, mas, sobretudo, manter as regras sanitárias”, explica Guimarães. 

Membro da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), o médico Julival Ribeiro, destaca que a queda na taxa de ocupação de leitos de UTI tem relação direta com a vacinação da população qualificada como grupo de risco. “O número de casos da Covid está caindo, o número de hospitalizações também, com isso o número de mortes vem caindo, isso é reflexo também da população de risco que já tomou a segunda dose. Além do mais, o que se espera é que tenhamos maior rapidez na vacinação, sobretudo para completar as doses, visto que a população só está protegida após a segunda dose”.

Durante live na noite desta quinta (15), o prefeito do Rio de Janeiro (RJ), Eduardo Paes, anunciou que até a 2ª semana de setembro os adolescentes entre 12 e 18 anos serão vacinados contra a covid-19 na cidade. No geral, a previsão é que todos os adultos sejam vacinados com ao menos uma dose até 18 de agosto. A prefeitura pretende também aplicar outra dose de reforço em idosos a partir do mês de outubro.

Apesar da antecipação das imunizações, Eduardo Paes alerta a população fluminense. “O nível de transmissão ainda é alto, não podemos relaxar. Eu busco ser otimista com as coisas, mas temos que ser otimistas e realistas, então continuem usando máscara, álcool em gel e respeitando as regras de distanciamento”, reforça.

Em termos gerais, segundo a análise da Fiocruz, os dados continuam apresentando a tendência de melhora na situação da Covid-19 no País, em conformidade com os indicadores de incidência e mortalidade. O estudo reforça que a vacinação tem feito diferença, o que reflete positivamente no quadro pandêmico na medida em que é ampliada. 

1ª dose: Ranking de vacinação por estados

UFPopulaçãoDose 1%
RS11.377.2395.608.41649,30
MS2.778.9861.285.74046,27
SP45.919.04920.946.67945,62
ES4.018.6501.813.73745,13
PR11.433.9575.102.05444,62
SC7.164.7882.880.87240,21
RN3.506.8531.407.05040,12
RJ17.264.9436.864.97439,76
MG21.168.7918.222.63338,84
GO7.018.3542.679.64238,18
MA7.075.1812.653.45137,50
PB4.018.1271.501.14137,36
AM4.144.5971.542.91837,23
AC881.935324.30436,77
PE9.557.0713.490.74436,53
PI3.273.2271.189.48936,34
TO1.572.866548.77434,89
RO1.777.225619.25534,84
AL3.337.3571.161.65534,81
DF3.015.2681.045.28234,67
MT3.484.4661.180.97133,89
BA14.873.0644.924.47133,11
SE2.298.696739.97232,19
RR605.761185.87330,68
PA8.602.8652.485.23228,89
AP845.731238.47928,20
CE9.132.0782.546.52727,89

Imunização completa: Ranking de vacinação por estados

UFPopulaçãoDose 2Única%
MS2.778.986561.324197.41027,30
RS11.377.2392.222.353264.19821,86
ES4.018.650618.03087.54717,56
SP45.919.0496.421.9101.384.96717,00
RJ17.264.9432.482.888215.51615,63
PR11.433.9571.509.224270.80015,57
PB4.018.127562.09353.51515,32
SC7.164.788901.729174.31215,02
RN3.506.853462.29546.63914,51
MG21.168.7912.774.796201.17914,06
AL3.337.357410.17547.28013,71
PE9.557.0711.156.047143.47313,60
PI3.273.227399.56537.43513,35
BA14.873.0641.785.245175.94313,19
DF3.015.268369.94426.71313,15
GO7.018.354814.923102.92413,08
AM4.144.597503.49824.85212,75
AC881.935101.6537.73512,40
MT3.484.466366.93764.93712,39
RR605.76163.4959.12711,99
TO1.572.866165.68621.51511,90
MA7.075.181754.44074.86811,72
CE9.132.0781.031.65431.58011,64
RO1.777.225172.04525.93711,14
SE2.298.696231.63621.13511,00
PA8.602.865862.17940.79910,50
AP845.73178.1068.24210,21

Fonte: Brasil 61

Please follow and like us:
Esta entrada foi publicada em notícias. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *