"CAUSOS" OUROPRETANOS

 

Água encaroçada

Cachoeira do Campo ainda não havia assumido esses ares de cidade. Portanto, as pessoas tinham hábitos mais simples, não exigiam muito e coisa e tal. O Zé de Artur era uma dessas pessoas mais que simples e também chegado a uma "cangibrina" , pra cortá a friage, dizia ele. Ao cair da tarde, depois daquela talagada na vendinha, ele chegava em casa e dava logo a ordem:

- Ô muié vigia aí uma água pru mod’eu lavá os pé. Malvina (ele a chamava de Marvina) apressava-se no atendimento ao marido, pois ele trabalhava num brejo, a plantar horta, e, os pés ficavam daquele jeito. O resto do corpo que esperasse o sábado. Não havia muita exigência como também não havia chuveiro e nem água encanada. Numa daquelas tardes, o Zé exagerou nas talagadas e, ao chegar estava "pra lá de Bagdá". Do quarto, onde cuidava de remendar peças de roupa,a mulher percebeu o estado do marido. Sem tirar os olhos do trabalho, ela avisou:

- A água tá numa das panelas no fogão. Avisou e continuou a "futicar" a agulha naqueles tecidos esgarçados. De repente, ela ouviu:

- Ô Marvina, muié disgraçada! Que raio d'água encaroçada é essa q’ocê me arranjô?

Diante do escarcéu aprontado pelo Zé, a Malvina não teve outro remédio se não largar o trabalho e socorrer o marido. Encontrou o Zé com os pés dentro da bacia cheia de feijão cozido.


O carneiro

Ildefonso e Josefina, de acordo com os registros de nascimento; Fofonso e Fina, para os amigos que eram todos os que os conheciam. Depois de muitos anos de vida em Belo Horizonte, o casal retornara a Cachoeira, onde o Fofonso prestava serviços na área de contabilidade como contabilista que era e ajudava muita gente na hora de resolver problemas junto ao serviço público. Os que mais o procuravam eram pessoas simples do meio rural, pouco afeitos a lidar com papéis burocráticos, ao contrário do Fofonso já calejado no ofício. A D. Fina, tão simpática como ele no trato com todos, atendia quando ele não se encontrava e lhe repassava as informações dadas quanto ao que desejavam. Numa daquelas vezes em que se encontrava sozinha, um senhor deixou para que entregasse ao Fofonso alguns papéis que este já aguardava e agradeceu por serviços concluídos. Ao sair, ele acrescentou: - diga ao "seu" Fofonso que na próxima semana eu trago o carneiro. D. Fina disse que sim e ficou com aquela informação a lhe martelar a cabeça.

Mais tarde, em conversa com o marido, ela expôs sua preocupação:

- Ah! Fonso! Fulano pediu que lhe dissesse que na próxima semana, ele traz o carneiro! Onde vamos colocar o bichinho? Aqui não tem pasto!

Fofonso soltou uma gargalhada e explicou:

-Pode deixar Fina. O carneiro que ele vem trazer não come a grama do jardim. É apenas o carnê do INSS que eu devo preencher, para que ele possa recolher a contribuição.


Ah! Qui bom!

Este "causo"também teve a D. Fina como protagonista. Do alto dos seus 86 anos, os últimos dez sem a companhia do Fofonso que a antecedeu na "grande viagem", cuida de tudo sozinha em sua casa e ainda reserva um tempinho para boas prosas com suas amigas que não são poucas. E, nas conversas, ela sempre reage com uma exclamação espontânea às coisas agradáveis narradas por seus interlocutores: "Ah! qui bom!" Certa vez, estava a D. Fina a preparar o almoço, enquanto uma amiga mais íntima conversava com ela. Da boca da mulher as palavras jorravam ininterruptamente e os assuntos mudavam bruscamente. D. Fina, ocupada com o almoço, só exclamava: ah qui bom! Numa daquelas viradas bruscas no rumo da conversa, a mulher narrou algo mais triste e concluiu:... e a minha mãe morreu. Mecanicamente, a D. Fina aprovou: - Ah! qui bom!


As tripas do Quincas

Curiosidade interessante é a relação existente entre algumas localidades ouropretanas e a cidade de Nova Lima. As populações dos distritos de Glaura (Casa Branca para os íntimos), São Bartolomeu, Santo Antônio do Leite e o sub-distrito de Doutor Rocha Lagoa (Cachoeira do Campo) guardam tão estreita relação com Nova Lima, a ponto de já ter havido uma linha de ônibus entre Glaura e aquela cidade. Extinta a linha, um caminhão passou a fazer o mesmo percurso para levar pequenos produtores que tinham Nova Lima como mercado certo para o que produziam. Ia tudo, gente e mercadoria, debaixo de uma tolda de lona, na carroceria. Certa vez, alguma coisa errada na mecânica do veículo, ou à frente do volante do mesmo, resultou num acidente. Era madrugada escura e o veículo tombou, misturando passageiros aflitos com galinhas a gritar dentro de jacás; queijos e frutas a rolar pelo barranco. Balaios se emborcaram, sacos de aniagem fornidos de coisas se confundiram com gente espalhada debaixo do caminhão.. Entre ais e gritos por todos os santos lembrados na hora do aperto, uma mulher gritou pelo seu marido e ele não respondeu. Imaginou pior sorte para o companheiro e, logo a seguir, tateou no escuro algo que a apavorou: - Ai minha Nossa Senhora! O Quincas está com as tripas de fora! No mesmo instante outra voz explicou na escuridão: não é tripa não, dona; é a minha lingüiça que se derramou do saco!


Castigado sem saber o porquê

Deste "causo" eu fui testemunha ocular. Deu-se na escola que, naquele tempo chamava-se Escolas Reunidas Padre Afonso de Lemos e funcionava no recém-inaugurado prédio da Praça Bom Despacho (hoje Benedito Xavier), em Cachoeira do Campo. Naquela época, a disciplina era rígida e as professoras não davam moleza aos alunos. Mesmo depois das aulas, se alguém aprontasse alguma traquinagem mais grave, entre a escola e sua residência, no dia seguinte a professora pedia contas do acontecido. Mesmo assim havia o que hoje seria a "turma da pesada". Um dos brinquedos mais comuns entre a garotada era o jogo de birosca (hoje bolinha de vidro) e, no pátio logo à entrada da escola, reunia-se a turma "bam-bam-bam", que dominava o pedaço. Somente os integrantes do grupo podiam jogar birosca naquele espaço. O "papão" (pequeno buraco semelhante a uma panela, feita no chão, onde as bolinhas deviam cair antes de o jogador iniciar a marcação de tentos) era quase uma armadilha para quem cruzasse o pátio. Certo dia, não sei por qual motivo, estourou uma tremenda briga entre dois jogadores. Ambos eram considerados "bons no braço", por isso, uma roda de atiçadores logo se formou em volta. A diretora, alertada pela gritaria correu ao local e aplicou o castigo na hora. Colocou os dois briguentos de braços dados, como um casal, e os atiçadores em fila atrás dos pugilistas. Eu e outro garoto assistimos à coisa um pouco afastados (os fracotes mantinham distância dos valentões) e, quando vimos a diretora a se aproximar, afastamo-nos mais para os fundos do prédio. Foi nesse momento que vimos o Dedeco que, ao ver-nos  com algumas balas nas mãos, apontou a fila e perguntou: - Para que é aquela fila ?  - Sem pestanejar, respondemos: - É para ganhar balas. Dedeco correu e entrou no último lugar reservado aos atiçadores que ficaram uma semana sem recreio. 

Nota: no dia 2 de maio de 2002, Dedeco entrou na fila do céu. Contava 61 anos de idade e estava a trabalhar quando foi chamado.

 

 

VOLTAR

 

             HOME            

lique aqui  para adquirircom foto de Ouro Preto

Adquira, leia, comente e divulgue o livro BANDA DE MÚSICA, a "Alma da Comunidade"    

Home***Quem somos*** cidade***Hotéis/pousadas***Distritos***Atualidades***Cultura***Notícias

Pau na moleira***Textos***Curiosidades***Manual de viagem***Links úteis***Pesquisa***Negócios***Fale conosco