Covid-19: casos e óbitos diminuem, mas números ainda são críticos, segundo Fiocruz

O Boletim Extraordinário do Observatório Covid-19 Fiocruz aponta queda no número de casos, óbitos e taxas de ocupação de leitos UTI para adultos com coronavírus. Segundo os pesquisadores, os valores ainda são considerados críticos. Entre 18 e 24 de abril, o número de casos diminuiu a uma taxa de -1,5% ao dia e a taxa diária de óbitos reduziu para -1,8%.

Em relação à taxa de ocupação de leitos, destaque para os estados de Rondônia, com redução de 94% para 85%; Acre, de 94% para 83% (ambos ainda na zona de alerta crítico); Alagoas, de 83% para 76% (saiu da zona de alerta crítico para zona de alerta intermediário); e Paraíba, de 63% para 53% (saiu da zona de alerta).

O sanitarista e membro do Observatório Covid-19 Fiocruz, Christovam Barcellos, explica que a queda dos indicadores se deu por conta das medidas de isolamento social tomadas em algumas cidades do país.

“Em março, houve uma série de iniciativas locais de lockdown em algumas cidades como Fortaleza, região metropolitana de Salvador, Rio de Janeiro, Porto Alegre, São Paulo. Isso aliviou um pouco. Só que logo em abril, muitas dessas medidas foram relaxadas. Possivelmente, teremos a consequência disso em maio”, alerta.

O epidemiologista e vice coordenador da Sala de Situação da Universidade de Brasília, Mauro Sanchez, afirma que a vacinação ainda tem pouco impacto sobre a queda dos casos.

“O efeito da vacina só é significativo, por enquanto, nas faixas etárias mais avançadas, que tiveram o início da vacinação há pelo menos um mês e meio. Porque o período necessário para construir resposta imune entre as doses é de um mês, na vacina que tem o menor intervalo entre doses – que é a Coronavac. Ou seja, um mês entre doses de vacina e mais pelo menos duas semanas para o organismo acabar de se proteger”, explica. 

Covid-19: plasma pode ajudar no tratamento de infectados

Covid-19: entenda a importância da vacinação para conter o surgimento de novas cepas

Governo lançará programa de testagem da população para Covid-19, diz ministro da Saúde

O pesquisador Christovam Barcellos ressalta que, apesar da queda dos indicadores, ainda se observa uma forte demanda por serviços de saúde para tratar pacientes com Covid-19.

“Há ainda uma sobrecarga muito grande sobre os hospitais e uma demanda de medicamento e de trabalho dos profissionais de saúde. Isso pode acarretar no triste colapso do sistema de saúde. Infelizmente, ainda não estamos vendo um quadro favorável para a redução da pandemia no Brasil”, afirma. 

Foco nos jovens

Segundo o pesquisador da Fiocruz, a preocupação cada vez maior é com o público jovem que, além de não estar vacinado, tem se exposto ao vírus para buscar emprego ou para lazer irresponsável. Barcellos recomenda que as campanhas para uso de máscaras e evitar aglomerações foquem nesse grupo.

“Os governantes locais e o governo federal têm que passar essa mensagem para a população mais jovem que está se expondo muito. Porque as vacinas para esse grupo vão demorar alguns meses; talvez setembro, outubro, cheguem nessa população”, estima.

O epidemiologista Mauro Sanchez também reforça o papel dos gestores públicos nas campanhas de conscientização.

“O papel dos gestores é acelerar o ritmo da vacinação; mas em paralelo reforçar as campanhas de comunicação para que a população adote medidas de restrição de mobilidade, uso da máscara, álcool gel, ou seja, todas as medidas não farmacológicas, que sabemos que são efetivas desde o começo da pandemia.”

Taxa de letalidade

Ainda de acordo com o Boletim Extraordinário do Observatório Covid-19, a taxa de letalidade do coronavírus aumentou, passando de 2% no final de 2020, para 3% em meados de março. Na última semana epidemiológica (18 a 24 de abril), o indicador atingiu 4,4%. O pesquisador Christovam Barcellos explica que a taxa de letalidade é calculada pela quantidade de pessoas infectadas e pelas que vieram a óbito pela Covid-19.

“Não é que o vírus tenha mudado completamente e está matando mais gente. É o que o sistema de saúde está falhando. Ele não está conseguindo fazer o diagnóstico precoce, encaminhar os casos graves, detectar os contatos entre os casos. As pessoas estão morrendo mais, dentro e fora dos hospitais”, explica.

Nesse sentido, é fundamental destacar o papel da Atenção Primária à Saúde. “É o agente de saúde visitando as pessoas; é telefonar para elas perguntando como estão; fazendo testes, não só naquela pessoa que está com sintoma, mas em pessoas que tiveram algum contato. Em alguns municípios está funcionando muito bem”, destaca Barcellos.

Previsão para os próximos meses

O pesquisador da Fiocruz, Christovam Barcellos, afirma que as previsões para os próximos meses não são otimistas.

“Infelizmente nós vamos passar por um período de oscilações: relaxa as medidas; volta a subir os casos; voltando a subir os casos; superlota os hospitais; tomam-se algumas medidas restritivas e diminui o número de casos. Isso tem que ser evitado, porque o inverno, geralmente, é uma estação de incidência de doença respiratória”, alerta.

Confira a entrevista completa com o sanitarista Christovam Barcellos, membro do Observatório Covid-19 Fiocruz.

https://www.youtube.com/embed/prKbMhrvCU8

Fonte: Brasil 61

Please follow and like us:
Esta entrada foi publicada em notícias. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *