Variante Indiana: Ministério da Saúde vai criar barreiras sanitárias

A Secretaria de Estado da Saúde do Maranhão (SES/MA) vai implantar barreiras sanitárias em aeroportos, portos e outros pontos do estado para impedir a disseminação da variante indiana da Covid-19. O primeiro caso da cepa no Brasil foi confirmado na última quinta-feira (20), em São Luís. Em resposta ao portal Brasil61.com, nesta segunda-feira (24), a pasta disse que a data para o início das ações está sendo acordada com o Ministério da Saúde. 

A ideia das autoridades de Saúde é impedir a transmissão comunitária da variante indiana no Brasil. Para isso não acontecer, a SES/MA e o Ministério da Saúde vão ampliar a testagem e medidas de controle nos aeroportos de São Luís e Imperatriz, na região portuária da capital maranhense e em outros pontos da Grande Ilha. 

Em entrevista coletiva no último sábado (22), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, expressou preocupação com a cepa que teve origem na Índia e detalhou as ações do governo federal para impedir a propagação da variante no Brasil. 

“A variante indiana é algo que tem nos causado preocupações. O nosso receio é que esse tipo de variante passe a ter uma transmissão comunitária. Para tanto, eu tenho dialogado com a Anvisa, com o secretário de Saúde do Maranhão e com o secretário Municipal de Saúde. Além disso, o Ministério da Saúde tem uma equipe no Maranhão, que está fazendo um inquérito epidemiológico para acompanhamento deste caso”, explicou. 

Covid-19: governo maranhense confirma variante indiana em tripulantes de navio ancorado na costa do estado

Número global de mortes por Covid-19 pode estar subestimado, diz OMS

PreCOV: Ministério da Saúde fará pesquisa sobre Covid-19 em 274 municípios

Barreiras sanitárias contra a variante indiana

Após reunião com o secretário de Saúde de São Paulo, Edson Aparecido, e o prefeito de Guarulhos, Gustavo Henric Costa, no sábado, Queiroga traçou as primeiras estratégias que envolvem um protocolo sanitário mais rígido para evitar a disseminação da cepa indiana no Brasil. Desde então, pessoas que tiverem como origem o estado do Maranhão e passarem pelo Terminal Rodoviário do Tietê e as rodovias federais Fernão Dias e Dutra, serão monitorados. A ação vai contar com o apoio da Polícia Rodoviária Federal. 

Já a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) vai intensificar a fiscalização nos aeroportos e portos pelo país. “A ideia é que a gente faça uma busca ativa em locais de circulação e pontos de saída, buscando pessoas sintomáticas e assintomáticas. Os grandes locais de pesquisa seriam nas rodoviárias urbanas e nas rodovias estaduais e federais e outras vias de acesso, utilizando esse teste de antígeno que tem resultado rápido”, disse Rodrigo Otávio da Cruz, secretário-executivo do Ministério da Saúde. 

Por enquanto, aeroportos e rodovias federais no Maranhão continuarão funcionando, mas haverá maior vigilância e testagem nestes locais, de acordo com o Ministério da Saúde. 

Desde o dia 14 de maio, uma portaria da pasta impede a entrada de passageiros no país vindos da Índia, África do Sul, Reino Unido e Irlanda do Norte. A restrição ocorreu após pedido da Anvisa. 

Testes de Covid-19

Como parte da estratégia para evitar a transmissão entre brasileiros da cepa indiana, o órgão enviou 600 mil testes rápidos de antígeno ao estado do Maranhão. Pessoas que passarem pelos aeroportos e pelas divisas do estado serão testadas. 

Nos casos positivos para o novo coronavírus, um segundo teste, desta vez do tipo RT-PCR, será aplicado, com o intuito de descobrir qual a cepa para cada diagnóstico. As pessoas que testarem positivo para a Covid-19, independente da cepa, deverão ficar isoladas, de acordo com o órgão. 

O Ministério da Saúde também afirmou que acompanha diariamente os profissionais de saúde e as pessoas que entraram em contato com o paciente internado em São Luís, infectado pela variante originária da Índia. “Todos os contactantes são monitorados diuturnamente. Durante o seu trabalho eles são monitorados três vezes ao dia com relação à aferição de temperatura e com realização de testes de PCR,” detalhou Arnaldo Medeiros, secretário de Vigilância em Saúde.  

No último domingo (23), Queiroga também anunciou que a pasta vai enviar 300 mil doses a mais de vacinas contra a Covid-19 para a região de São Luís e cidades vizinhas. A remessa adicional, cuja previsão de chegada era para as 16h desta segunda, vem a pedido do prefeito da capital maranhense, Eduardo Braide. 

A variante indiana da Covid-19

Segundo o infectologista Bergmann Morais Ribeiro, ainda não existem estudos que comprovem que a variante indiana seja mais agressiva ou letal do que outras cepas do novo coronavírus. No entanto, há evidências de que ela seja mais transmissível. 

“A diferença da variante indiana para as outras que já circulam, é que ela tem um conjunto de modificações genéticas específicas. Essas mutações estão, principalmente, naquela proteína espícula, que o vírus usa para entrar na célula. E quando essa mutação ocorre, dependendo do lugar, o vírus entra mais rápido. Daí essa característica de se espalhar mais facilmente”, explica. 

Bergmann explica que as primeiras medidas das autoridades devem visar o controle das fronteiras, com monitoramento de pessoas que apresentam quadro gripal, testagem e o sequenciamento genômico, aquele em que se descobre qual a cepa do vírus. Na dúvida, ele diz, todo cuidado é pouco. 

“É muito importante controlar o espalhamento de novos vírus quando eles são, primeiramente, detectados, porque eles podem se espalhar e se tornarem dominantes, como nós não sabemos se esse vírus é mais letal ou não, é melhor não arriscar”, aconselha. 

Vacina

O virologista também destaca que a ampliação da vacinação é essencial para impedir uma nova escalada no número de casos, consequência de variantes que, até então, estavam fora do Brasil. A boa notícia é que imunizantes já utilizados no Programa Nacional de Imunizações (PNI) parecem eficientes na defesa contra a cepa. “Saiu um estudo mostrando que as vacinas da AstraZeneca e da Pfizer são efetivas contra essa variante indiana.”

Origem

O Ministério da Saúde confirmou os primeiros casos da variante indiana no Brasil na última quinta-feira (20). As seis pessoas diagnosticadas com a cepa eram tripulantes do navio chinês MV Shandong, que saiu da Malásia e chegou ao Maranhão em 14 de maio. 

Entre os infectados, um teve piora no quadro e está internado em um hospital particular em São Luís. O estado dele é grave. Os demais permanecem isolados, juntos aos demais tripulantes do navio, a cerca de 35 quilômetros do litoral maranhense. 

Embora só no Maranhão já exista caso confirmado da variante no Brasil, outros dois estados (Pará e Ceará) e o Distrito Federal investigam casos suspeitos da cepa. Por enquanto, não há transmissão comunitária, reafirmou Queiroga. “Não há indício de transmissão comunitária da variante indiana, mas a Vigilância em Saúde tem trabalhado fortemente, porque antes da vedação dos indianos no Brasil, chegavam pessoas da Índia. Então estamos buscando tudo isso para avaliar esses casos e buscar conter uma possível transmissão comunitária desse vírus”, concluiu. 



Fonte: Brasil 61

Please follow and like us:
Pin Share
Esta entrada foi publicada em notícias. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *