Comissão de Finanças da Câmara aprova projeto que proíbe bloqueio de recursos destinados ao INPI

A Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados aprovou, no dia 23 de junho, uma proposta que impede o bloqueio de recursos destinados ao Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI). O órgão vinculado ao Ministério da Economia é o responsável pela concessão do registro de marcas e patentes no País. 
 
O Projeto de Lei Complementar (PLP 143/2019) visa alterar a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) para determinar que os “recursos destinados ao INPI não serão objeto de limitação de despesa”. Autor da proposta, o deputado federal Marcos Pereira (Republicanos/SP) destaca que o texto vai permitir à autarquia proteger e valorizar a inovação. 
 
“O INPI tem um orçamento superavitário, historicamente, mas como o dinheiro vai para o caixa único da União, o planejamento acaba contingenciando (bloqueando) para fazer superávit primário. Com a impossibilidade de contingenciamento, o INPI vai poder gerir os próprios recursos, investir e, consequentemente, adiantar o processo de patentes que, no País, demora, em média, 10 anos”, explica o parlamentar. 

5G: alterações na Lei das Antenas podem facilitar a implantação da tecnologia no Brasil, afirma secretário do MCom, Vitor Menezes

5G: Automação trazida pela tecnologia deve influenciar bem-estar social

Propriedade intelectual 

A propriedade intelectual é uma espécie de garantia. Assim, uma empresa ou pessoa física que cria um produto ou serviço inovador, por exemplo, tem a certeza de que sua invenção será protegida juridicamente por um determinado período, durante o qual vai poder explorar economicamente a própria criação e impedir que um concorrente venda um produto ou serviço idêntico ao seu, com a mesma tecnologia, define a Associação Brasileira de Propriedade Intelectual. 
 
Quando uma empresa ou cidadão brasileiros querem garantir a propriedade intelectual sobre uma invenção, eles recorrem até o próprio INPI. César Peduti, advogado especialista em Direitos de Propriedade Intelectual na Peduti Advogados, avalia que é importante que o projeto de lei seja aprovado, pois o investimento na autarquia federal é fundamental para o desenvolvimento do País. 
 
“Somente num ambiente de segurança jurídica para as empresas que investem em pesquisa e desenvolvimento, para criação de patentes, desenhos industriais, softwares, no lançamento de novas marcas para identificar produtos e serviços, é que a gente consegue fazer com que as empresas destinem recursos à inovação, ao lançamento de produtos, serviços que permitem com que a economia gire”, defende. 
 
Segundo César, garantir o bom funcionamento do INPI é importante para a retenção de aportes estrangeiros no Brasil, de empresas que, eventualmente, queiram explorar seus produtos e serviços aqui e querem os seus direitos de propriedade intelectual respeitados. 
 
Arte: Brasil 61

Tramitação

O próximo passo do projeto de lei é a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados. Depois, seguirá para o Plenário da Casa. 

Fonte: Brasil 61

Please follow and like us:
Esta entrada foi publicada em notícias. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *