Covid-19: pandemia altera rotina clínica de 60% dos diabéticos

Foto: Arquivo/Agência Brasil

Os cuidados realizados pelo Ministério da Saúde às pessoas com diabetes estão tendo resultados positivos durante a pandemia da Covid-19 e os destaques são em Porto Alegre, São Paulo, Vitória da Conquista (BA) e Teófilo Otoni (MG). Nessas cidades, o Ministério da Saúde desenvolve programas de atenção primária à saúde, em parceria com a OPAS, de atendimento às pessoas com diabetes e hipertensão.

Os programas estão sendo fundamentais no atendimento aos diabéticos, pois durante a pandemia quase 60% das pessoas portadoras da doença tiveram alteração no estado clínico e quase 39% adiaram consultas médicas de rotina. Os dados são de pesquisa realizada por especialistas da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD).

Salário mínimo em 2022 poderá ser de R$ 1.169

Governo assina acordos para incorporação de critérios ASG em projetos de saneamento, segurança hídrica e mobilidade

Uberlândia (MG): Jair Bolsonaro entrega uma das maiores obras de tratamento de água do País

De acordo com o levantamento, a mudança de rotina das pessoas com diabetes imposta pela pandemia da Covid-19 alterou o índice de glicemia em 60% dos portadores.  

A diabetes é uma doença crônica não transmissível e esse grupo de enfermidades é responsável por até 75% das mortes no país.

Outro dado levantado revela que durante a pandemia da Covid-19, os diabéticos tiveram piora no controle da alimentação, no consumo de álcool, de cigarros e do sedentarismo. A causa está relacionada diretamente ao tempo de permanência das pessoas diante do computador.

Os pesquisadores recomendam que as pessoas retornem aos hábitos saudáveis e, se for preciso, buscar ajuda nas Unidades Básicas de Saúde de forma presencial ou por meio da telemedicina, em plataforma online na internet.

Nos sites do Ministério da Saúde e da Sociedade Brasileira de Diabetes é possível entender a doença e saber como tratar e se prevenir. O endereço eletrônico é: gov.br/saude

Fonte: Brasil 61

Please follow and like us:
Esta entrada foi publicada em notícias. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *