Hemocentro de Marília enfrenta baixo estoque de sangue e faz apelo por mais doadores na região

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Hemocentro do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Marília – DASHEMO acende alerta para as doações de sangue no Centro-Oeste Paulista, região que abastece 13 municípios, como Marília, Pompéia e Vera Cruz. Segundo Dayane Galleti, assistente social do instituto, o hemocentro está operando em nível crítico. Ela faz um apelo para captar mais doadores de sangue no município.

“Hoje nós estamos até com os tipos mais comuns, que seriam os tipos positivos, em baixa no nosso estoque. Estamos também com uma falta do tipo A negativo, que já é um tipo mais raro, mas também muito difícil para nós conseguirmos elevar. O setor de captação está fazendo a convocação de doadores diariamente por telefone e pela imprensa, só que nós estamos com uma resposta demorada e não estamos conseguindo elevar esse estoque de sangue no ritmo que a gente precisa”, explicou.

Para contornar a queda nos estoques, o hemocentro aderiu à Campanha Nacional de Doação de Sangue, em conjunto com o Ministério da Saúde. Segundo o ministro da pasta, Marcelo Queiroga, são realizadas três milhões de doações de sangue por ano na rede do Sistema Único de Saúde (SUS). Ele destaca a importância da doação regular.

“Vamos aproveitar essa oportunidade para reafirmar não só as ações de enfrentamento à pandemia, mas também a necessidade contínua de cumprir o preceito constitucional da saúde como direito fundamental. O sangue, ao longo do tempo, simboliza a vida. E, nesse sentido, é importante a doação regular de sangue. Doe sangue regularmente. Com a nossa união, a vida se completa.”

O Hemocentro de Marília é uma das quatro unidades que compõem a Faculdade de Medicina de Marília. A instituição atua como Centro de Referência em Hemoterapia e Hematologia para a região oeste e centro oeste de São Paulo. O hemocentro atende um total de 110 municípios do estado.

A sede do hemocentro está localizada no município de Marília, na rua Lourival Freire, bairro Fragata. Para agendar a sua doação de sangue, disque (14) 3434-3828 ou envie um e-mail para [email protected] 

A rede é responsável pelo abastecimento de seis grandes agências transfusionais de Marília, sendo o Hospital de Clínicas, Hospital Materno Infantil, Santa Casa de Misericórdia, Hospital São Francisco, Maternidade Gota de Leite, do Hospital Universitário, além das 14 agências transfusionais de municípios vizinhos de Marília. 
Moradores de outras regiões de São Paulo, que desejam doar sangue, podem procurar outros hemocentros localizados nos municípios de Botucatu, Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, Campinas e na Grande São Paulo.

Solidariedade na pandemia

Mesmo com a pandemia, Patrícia Ramalho entendeu a importância de continuar doando sangue. Além de trabalhar como auxiliar de desenvolvimento infantil, ela também auxilia milhares de brasileiros com o ato solidário de doar sangue a quem precisa. Ela começou a doar sangue aos 18 anos e nunca mais parou. Hoje, aos 45 anos, Patrícia Ramalho incentiva outras pessoas a participarem da campanha de doação de sangue.

“Vidas podem ser salvas com a doação e isso é muito importante. A doação é rápida e tranquila, você vai estar fazendo o bem e não custa nada. Então, por favor, vamos lá é só um pouquinho de sangue e é muito rápido. A doação é um ato de amor ao próximo.”

Onde doar sangue em São Paulo 

Além do hemocentro de Marília, o estado de São Paulo possui hemocentros regionais nos municípios de Botucatu, Ribeirão Preto, na Grande São Paulo, São José do Rio Preto e Campinas. São Paulo também possui doze hemonúcleos em cidades como Barretos, Franca, Piracicaba e Santos.
Para saber mais informações sobre endereços e horários de funcionamento das unidades mais próximas de você, veja o mapa abaixo. 

Critérios para doar sangue e medula óssea

De acordo com a Coordenação-Geral de Sangue e Derivados do Ministério da Saúde, o procedimento para doação de sangue é simples. Primeiro se faz o cadastro, aferição de sinais vitais, teste de anemia, triagem clínica, coleta de sangue e depois o lanche. Isso tudo leva em média 40 minutos.

Vale lembrar que até mesmo quem foi infectado pelo coronavírus pode doar sangue e medula óssea. No entanto, é necessário aguardar 30 dias após completa recuperação da doença. Quem teve contato com pessoas infectadas também precisa esperar 14 dias para poder fazer a doação, apresentando RT-PCR negativo e ausência de sintomas. Os vacinados devem esperar o tempo de imunização, que vai depender da marca do imunizante.

Para doar sangue é necessário ter entre 16 e 69 anos de idade e pesar no mínimo 50 quilos. Mulheres podem doar até três vezes ao ano com intervalo de três meses entre as doações. Já os homens podem doar até quatro, com intervalo de dois meses. A doação é voluntária e uma bolsa de apenas 450mL de sangue pode ajudar até quatro pessoas.

Candidatos à doação de medula óssea devem ter entre 18 e 35 anos, estar em bom estado de saúde e não apresentar doença infecciosa ou incapacitante. Segundo o Redome, algumas complicações de saúde não são impeditivas para doação, sendo analisado caso a caso.

Doar sangue e medula é seguro! Com a pandemia, todos os protocolos de contenção contra a Covid-19 estão sendo realizados. No dia da doação, será preciso apresentar documento de identificação com foto. Para saber onde doar sangue ou se cadastrar para doar medula óssea, envie um e-mail para o Hemocentro.

https://app.powerbi.com/view?r=eyJrIjoiMDhiZGE5MjktN2RiMi00NjA0LWE1NDctYzNiZWJlNGQ5NzQ0IiwidCI6ImI0MWExODliLWVlZjItNDZkZi1hN2ExLWFmN2UwNTU0YjkzYiJ9&pageName=ReportSection

Fonte: Brasil 61

Please follow and like us:
Esta entrada foi publicada em notícias. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *