Benjamin Constant do Sul (RS) registra primeira morte por Covid-19

Hospital de campanha de Covid-19. Foto: Rovena Rosa/ Agência Brasil.

Com mais de um ano e meio desde o início da pandemia, o município de Benjamin Constant do Sul, na região Norte do Rio Grande do Sul, registrou, no último fim de semana, a primeira morte pela Covid-19. Até então, a cidade com cerca de 1,9 mil habitantes estava no ranking dos municípios com taxa de letalidade em 0%.


 
De acordo com a Secretaria Municipal da Saúde (SMS), a vítima foi uma indígena de 54 anos que tinha comorbidades, como diabetes e pressão alta. Ela estava internada no Hospital Santa Terezinha, em Erechim, a 43 quilômetros de distância. A mulher veio a óbito mesmo após a imunização com as duas doses da vacina.
 
A cidade era uma das duas que ainda não tinham registros de óbito no painel da Secretaria Estadual da Saúde (SES). Com a morte notificada, Novo Tiradentes, na mesma região, passou a ser o único dos 497 municípios do estado a não ter vítimas do coronavírus.


 
O vice-prefeito e secretário municipal de saúde, Márcio Capellari, destacou que a morte foi um caso isolado e a vítima teve o quadro agravado pelas comorbidades. Segundo ele, desde o início da sua gestão, iniciada em janeiro, foram adotadas medidas especiais para o combate à pandemia. Uma delas foi o atendimento 24h na principal Unidade Básica de Saúde (UBS) do município.
 
Além disso, foi adotado atendimento de forma diferenciada, com pacientes suspeitos e confirmados atendidos em alas separadas. “Casos especiais, com sintomas mais fortes, são acompanhados nas residências, como é o caso de pacientes com idade mais avançada ou com comorbidades”, disse. 
 
O município, que está localizado no território da reserva indígena de Votouro, conta com duas UBS no total, uma no centro e outra situada dentro da reserva. “Nas aldeias indígenas, as lideranças trabalham seriamente no sentido de orientar e alertar a todos. Seguindo os costumes, ainda são usadas ervas medicinais para prevenir e também para amenizar os sintomas, comando as orientações e cuidados dos médicos”, contou Capellari.

Covid-19: Anvisa aprova medicamento indicado para casos leves e moderados

Covid-19: vacina em forma de spray está em fase de testes em animais e pode ficar pronta em 2022

Conass pede prioridade para vacinação da 3ª dose
 
Os números da pandemia seguem controlados na localidade, que tem apenas seis casos ativos, sendo que dois desses pacientes estão internados, mas estáveis. No total, 493 pessoas já foram infectadas pelo vírus desde o início da pandemia. Outro destaque é a cobertura vacinal: 1619 pessoas já tomaram a primeira dose e 1429 já concluíram a imunização com a segunda dose ou dose única. 

Taxa de letalidade

Atualmente, vinte e nove municípios brasileiros têm taxa de letalidade cravada em zero, de acordo com os dados do Ministério da Saúde. Apesar de não ser o caso de Benjamin Constant do Sul, que fez parte desta lista durante muito tempo, o assessor técnico do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) Alessandro Chagas, apontou que esse indicador pode não corresponder à realidade local. 

“Em municípios muito pequenos pode ter ocorrido que não houve óbito mesmo. Mas uma coisa mais provável é que quando o quadro se agrava você vai encaminhar o cidadão para uma referência e essa referência não é município pequeno”, disse. 

De acordo com o especialista, muitas vezes os dados são olhados por ocorrência, neste caso, não aparece o município, e o correto seria avaliar por residência. Sobre possíveis erros de registro, Chagas destacou que de maneira geral são residuais, visto que o Sistema Único de Saúde (SUS) funciona de maneira descentralizada. “Não acho que seja um problema de erro de registro, mas pode ser um problema de erro no sistema mesmo ou uma pesquisa equivocada.”

O painel geral da Covid-19, disponibilizado pelo Ministério da Saúde por meio do LocalizaSUS, é composto por dados repassados pelos estados que colhem as informações particularmente com seus respectivos municípios. De acordo com a pasta, a plataforma apenas disponibiliza o compilado, sem controle sobre o seu preenchimento. Neste sentido, o técnico reconheceu que os sistemas de saúde no País são arcaicos e, muitas vezes, não conversam entre si. 

Fonte: Brasil 61

Please follow and like us:
Esta entrada foi publicada em notícias. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *