Tudo que não te contam sobre o consumo de colágeno

O dermatologista Dr. Rafael Soares comenta sobre verdades e mitos da uma das substâncias que mais cresce em consumo no mundo.

Ainda em 2015, o mercado global de colágeno já era avaliado em 3 bilhões de dólares. A expectativa é que esse segmento atinja os 5 bilhões até o ano que vem, podendo superar o valor devido aos altos investimentos feitos nesse setor. Estudos confirmam os benefícios do consumo de colágeno e a tendência mundial de adoção de um estilo de vida mais saudável, faz com que cada vez mais pessoas procurem produtos de cuidado pessoal. 

De acordo com o Dr. Rafael Soares, é importante conhecer as substâncias e seus benefícios e particularidades antes de iniciar o consumo. “Quem acredita que colágeno oral não funciona, por exemplo, precisa estudar um pouco mais. A quantidade de artigos científicos que comprovam que o colágeno oral melhora a pele, as articulações e evita doenças é muito grande”, exemplifica o médico.

Rafael Soares alerta para a diferença entre a melhora na análise da pele e a percepção visual após o consumo. “O fato de haver uma mudança ao olhar a pele no microscópio, não significa que a gente vai ter a mesma alteração do lado externo. A mudança visual é lenta e gradual e por isso, às vezes, as pessoas não percebem o resultado”. Para ajudar na percepção das pequenas melhorias, o dermatologista aconselha fazer a comparação de uma foto antiga com fotos novas. “A diferença é bem considerável. Se nós tivéssemos a oportunidade de nos dividirmos em duas pessoas e uma tomasse colágeno e a outra não, notaríamos que a que toma envelheceria bem mais lentamente do que a outra”, conta.

Além de ser utilizado para evitar o surgimento de rugas, linhas de expressão e as marcas do tempo de modo geral. O colágeno pode ser utilizado também por quem deseja evitar estrias e a flacidez da pele. “Para escolher o melhor colágeno é importante considerar a qualidade do produto, a riqueza de colágeno tipo 1, a forma hidrolisada, para facilitar a absorção e a associação com antioxidantes”, aconselha o especialista. Soares afirma ainda que não se deve dar preferência aos colágenos exclusivamente do tipo 02, pois tem ação voltada para as articulações; do tipo 03, por ser muscular e do tipo 04, porque é ligado aos vasos sanguíneos.

Sobre o Dr. Rafael Soares

Dr. Rafael Soares é médico pela Universidade Federal de Ciências Médicas de Porto Alegre, com título de especialista em dermatologia pela Associação Médica Brasileira (AMB) e Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), assim como de pós-graduação em nutrologia pela Associação Brasileira de Nutrologia.

De família humilde, Dr. Rafael veio de uma criação simples, mas onde a educação sempre foi um princípio, visto que seu pai trabalhou como caminhoneiro durante boa parte da vida e se formou em Direito com quase 50 anos e a mãe era professora de escola pública. Para cursar medicina, precisou prestar concurso para estudar no Colégio Militar de Porto Alegre e assim receber uma educação que lhe proporcionasse melhores oportunidades de concorrer a uma vaga em uma Universidade Federal.  

Na trajetória profissional, além da atuação na dermatologia clínica e estética, e na nutrologia, o Dr. Rafael Soares se dedica à docência desde 2009 na mesma instituição onde se formou. Atualmente voltado para ministrar cursos específicos de especialização, o médico é referência no tratamento de doenças de pele e de técnicas exclusivas de estética.

mail 

FONTE: MF Press Global

Consultoria, comunicação, assessoria de imprensa e artística

Consultoria, comunicación, asesoria de prensa y artístico

Consulting, communication, press and artistic consultancy

www.pressmf.global – [email protected] 

Please follow and like us:
Pin Share
Esta entrada foi publicada em Informe científico. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *