Municípios do Sul recebem mais de R$ 1,7 bi do FPM nesta quinta-feira (10)

FPM. Foto: Arquivo/EBC

Os municípios da Região Sul recebem nesta quinta-feira (10) R$ 1,7 bilhão do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). O repasse é referente ao primeiro decêndio de fevereiro. No mesmo período do ano passado, as prefeituras embolsaram R$ 1,3 bilhões, ou seja, e

sta transferência é 30,7% maior e representa aumento real de recursos para os cofres municipais mesmo com inflação acumulada de 10,38% nos últimos doze meses, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 

As 496 prefeituras gaúchas, por exemplo, vão receber cerca de R$ 696 milhões do FPM. No mesmo decêndio de 2021, o valor recebido pelos entes municipais do estado foi de aproximadamente R$ 518 milhões.  

Após veto ao Refis, outro projeto que parcela débitos tributários de micro e pequenas empresas tramita na Câmara

REGISTRATO: População pode consultar valores do “dinheiro esquecido” a partir do dia 14 de fevereiro

O município gaúcho de Veranópolis vai contar com cerca de R$ 2 milhões em parcelas do FPM. O secretário de finanças da cidade, Ricardo Ledur, afirma que o fundo é a segunda maior fonte de renda do município, já que se trata de uma área industrializada, com boa arrecadação de ICMS. Porém, ele destaca que o fundo é fundamental para a estabilidade financeira do município.  

“Em uma situação econômica hiperinflacionada, é fundamental ter todas as receitas muito bem controladas. O FPM, além de cumprir essa função primária, ele tem como caráter secundário a transferência de poder de deliberação para o município, o que vejo como uma forma transparente de dar autonomia ao ente municipal”, considera.  

Em Santa Catarina, 294 prefeituras recebem mais de R$ 400 milhões em 2022. Já 398 municípios paranaenses vão embolsar cerca de R$ 695 milhões do FPM. 

Variação

Vale destacar que o primeiro repasse do FPM costuma ser o maior, porque é resultado do recolhimento dos impostos que vencem no fim do mês anterior, destaca Cesar Lima, especialista em Orçamento Público. A transferência do próximo dia 10, por exemplo, tem origem na arrecadação do Imposto de Renda (IR) e Imposto sobre Produto Industrializado (IPI) entre os dias 20 e 30 de janeiro. 

Já o segundo decêndio, cujo repasse ocorre, em geral, no dia 20, costuma ser o menor em cada mês. Por fim, o montante volta a subir no terceiro decêndio. Por isso, para saber se o repasse do FPM aumentou ou diminuiu, as prefeituras devem fazer esse cálculo comparando o decêndio atual com o mesmo do ano anterior. “A comparação se o FPM está ascendente ou descendente dentro de um mesmo mês é complicada. É melhor ou pegar uma série de meses dentro do mesmo ano ou, até mesmo a título de comparação, de um exercício para o outro”, orienta Cesar. 

Confira quanto seu município vai receber

https://brasil61.com/widgets/mapa/114

O que é o FPM

O FPM é um fundo pelo qual a União repassa, a cada dez dias (por isso o nome “decêndio”), 22,5% do que arrecada com o IR e com o IPI aos municípios. A cada mês, portanto, são três transferências, que ocorrem nos dias 10, 20 e 30. Se a data cair no sábado, domingo ou feriado, o repasse é antecipado para o primeiro dia útil anterior. 

O dinheiro das prefeituras é creditado pelo Banco do Brasil. Os percentuais de participação de cada município são calculados anualmente pelo TCU de acordo com o número de habitantes de cada cidade e a renda per capita dos estados. Os municípios são divididos em três categorias: capitais, interior e reserva. As capitais dos estados e Brasília recebem 10% do FPM. Os demais municípios brasileiros são considerados de interior, e embolsam 86,4% do fundo. Já os municípios de reserva são aqueles com população superior a 142.633 habitantes e recebem – além da participação como município de interior – uma cota adicional de 3,6%.  

Bloqueio

De acordo com a Secretaria do Tesouro Nacional, até 09 de fevereiro, 12 municípios estavam entre os entes bloqueados por causa de alguma pendência. Entre os principais motivos para bloqueio estão: ausência de pagamento da contribuição ao Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep), dívidas com o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), débitos com a inscrição da dívida ativa pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), e falta de prestação de contas no Sistema de Informações sobre Orçamento Público em Saúde (Siops).

Para desbloqueio do repasse, o município deve identificar o órgão que determinou o congelamento. Em seguida, deve conhecer o motivo e regularizar a situação. 
 

Fonte: Brasil 61

Please follow and like us:
Pin Share
Esta entrada foi publicada em notícias. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *