Ações da Embrapa para mitigar crise dos fertilizantes podem gerar US$ 1 bilhão de economia ao setor

Foto: Ana Lucia Ferreira/Embrapa

Uma economia ao setor agrícola de US$ 1 bilhão já no primeiro ano. Essa é a expectativa da primeira ação d

o Plano Nacional de Fertilizantes, criado para mitigar a falta do insumo em todo o mundo, assegurar a próxima safra e alcançar a boa produtividade com tecnologia e soluções nacionais. Trata-se da Caravana Embrapa FertBrasil, que vai rodar diversas regiões do país para trabalhar junto às entidades representativas dos produtores rurais.  Segundo Jefferson Costa, pesquisador da Embrapa e coordenador estratégico da FertBrasil, serão apresentadas soluções e tecnologias para maximizar a utilização dos fertilizantes, evitar o desperdício e baixar o preço da produção.

“Se você usar as tecnologias que a Embrapa está levando na Caravana, nossa expectativa, se todas as tecnologias forem utilizadas, com os estudos econômicos que fizemos, pode levar a uma economia de US$ 1 bilhão no primeiro ano de uso. Para se ter ideia da dimensão da economia que isso pode alcançar.”

A Caravana já passou por Mato Grosso do Sul, São Paulo e Paraná, e trabalha o assunto atualmente em Minas Gerais, até o dia 30 de junho. Após isso, os especialistas seguem para outros 17 estados e o Distrito Federal. A equipe, formada por, pelo menos, cinco palestrantes e três pesquisadores da Embrapa, vai visitar ao todo 48 polos agrícolas, o que corresponde a 70 milhões de hectares, abrangendo os 230 municípios maiores produtores de grãos e perenes no Brasil.

O deputado federal Vermelho (PL-PR) lembra que o preço do fertilizante importado triplicou nos últimos meses por conta da escassez mundial e que o produtor brasileiro fica refém dessa dependência de importação, já que mais de 85% dos insumos utilizados por nossa agricultura chegam de países estrangeiros. O parlamentar acredita que a ação da Embrapa é fundamental para achar soluções caseiras e diminuir essa dependência.

“A Embrapa é o aporte do agro, é ela quem desenvolve a semente, a tecnologia, o agrotóxico, o fertilizante. Nós estamos nas mãos dos países de fora, Russa, Ucrânia, etc. Temos jazidas escondidas no nosso subsolo que dá para transformar. A Embrapa é preponderante. Só dar atividade, dar condições para que eles possam desenvolver a substituição, talvez, de algum produto químico, para que a gente possa continuar produzindo sem depender dessa cadeia internacional”, ressalta Vermelho.

De acordo com a Embrapa, a demanda por fertilizantes no Brasil cresceu cerca de 300% nos últimos 20 anos, enquanto nossa produção do insumo, no mesmo período, caiu 30%. Jefferson Costa explica que o Plano Nacional de Fertilizantes procura reverter isso e um dos primeiros passos, incluso no trabalho da Caravana, é potencializar o uso de fertilizantes nacionais em substituição aos importados.

“Sobre o uso desses fertilizantes agrominerais, coprodutos de resíduos com potencial agrícola, remineralizadores, nanotecnologia, essas tecnologias novas podem acelerar esse processo, porque você torna o produtor mais eficiente no uso de fertilizantes e diminui a dependência do fertilizante importado”, destaca o pesquisador. “Porque esses são produtos nacionais, são produtos que estão aí no mercado e precisam ser testados. Hoje, esses produtos compõem apenas cerca de 5% do uso nacional de fertilizantes e nossa expectativa, nos próximos dois, três, quatro anos é já chegar a 40% da inserção desses produtos no mercado, o que diminuiria a necessidade de importação, essa dependência tão forte que a gente tem hoje.”

Créditos rurais devem movimentar R$ 15 bi em operações do Plano Safra 2021/2022

Mais de mil produtos agropecuários do Mercosul vão ter imposto zero para entrar no mercado europeu no primeiro ano do acordo com a UE

Pilares da Caravana

Jefferson explica que o conteúdo transmitido pela Caravana foi discutido pelos 40 melhores especialistas da área, para reunir todo o conhecimento da Embrapa a respeito e modular tudo em cinco pilares. O objetivo é dialogar com o setor produtivo, levar informações e novidades aos produtores e mapear as demandas de cada macrorregião, de cada polo agrícola que está sendo visitado.

Uma das novidades tecnológicas apresentadas pela Embrapa aos produtores é a análise biológica do solo, lançada recentemente e já desempenhada por dezenas de laboratórios em todo o país. O objetivo é fazer uma análise enzimática, onde mede-se a vida biológica do solo. Essa análise consegue explicar porque muitas vezes o produtor coloca mais adubo e a planta não responde. Segundo Jefferson, essa nova tecnologia evita desperdícios e maximiza a produção, principalmente neste momento de crise.

“O solo é vivo, e essa leitura da vida biológica do solo é um novo tipo de análise que explica, inclusive, se você deve continuar aplicando fertilizantes ou não. Às vezes, você vai colocar fertilizantes e não precisa, a planta não vai mais responder. E essa análise biológica do solo que a Embrapa lançou agora permite te dizer que está na hora de fazer um outro tipo de manejo, mexer no seu solo. Porque colocar adubo do jeito que se está colocando, é gastar dinheiro à toa. Ou seja, numa época de crise como essa, com o fertilizante com preço nas alturas, é uma tecnologia excelente para uso”, destaca o pesquisador da Embrapa.

Como o Plano Nacional de Fertilizantes é um trabalho a longo prazo, com a intenção de diminuir a dependência de importações de 85% para 45% até 2050, a ideia da FertBrasil é fazer com que os produtores comecem a caminhar, já nesta safra, para novas ideias e tecnologias. Depois de Minas Gerais, a Caravana ainda passa por Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Rondônia, Santa Catarina, Acre, Goiás, Distrito Federal, Bahia, Tocantins, Piauí, Maranhão, Sergipe, Alagoas, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Pará, Roraima e Amapá.

Confira os cinco temas abordados pela Caravana:

  • Planejando quando e onde plantar: hoje já existem tecnologias, como novas análises de solo, que permitem apontar com precisão que solo deve ser utilizado para o plantio, quando e com que quantidade de fertilizantes;
  • Boas práticas: a Embrapa preparou uma apresentação com as principais práticas agrícolas que existem no país para uso eficiente de fertilizantes, muitas delas que não chegaram ao conhecimento do produtor;
  • Novos fertilizantes e insumos: na terceira etapa entram em discussão os novos fertilizantes, agrominerais, remineralizadores e bioinsumos. Tecnologias que são novas. Algumas carecem de mais pesquisas e testes, enquanto outras já possuem comprovação de eficácia.
  • Soluções digitais: a Caravana também está levando as melhores soluções digitais que existem no mercado para aumentar a eficiência das aplicações dos fertilizantes, a chamada agricultura de precisão. São novas ideias de como maximizar o uso desses produtos, com, por exemplo, a nanotecnologia na aplicação de fertilizantes.
  • Manejo e sustentabilidade: a última etapa da conversa com os produtores influenciadores e os técnicos fala sobre o manejo agrícola associado à maior sustentabilidade.
     

Fonte: Brasil 61

Please follow and like us:
Pin Share
Esta entrada foi publicada em notícias. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.