A artrose é genética? Entenda!

Cirurgião ortopedista Dr. David Gusmão explica quais fatores genéticos podem desencadear a doença

A artrose do quadril é uma doença que ocorre principalmente devido ao processo natural de envelhecimento, que provoca o desgaste da articulação do quadril. Entretanto, é possível ver casos onde a patologia é diagnosticada em mais de um membro da mesma família, situação que gera a dúvida de se a artrose possui alguma relação direta com os genes herdados dos pais. 

Embora a ciência ainda careça de estudos sobre todos os fatores genéticos e a incidência de artrose, existem condições congênitas que podem desencadear (ou agravar) o surgimento da doença, explica o cirurgião ortopedista Dr. David Gusmão

“Existem características de formato do quadril que possuem herança genética. Uma das principais condições dessas é a displasia do desenvolvimento do quadril (também conhecida como luxação congênita do quadril). Trata-se de um quadril que não tem o formato ideal para funcionar sem desgaste, por isso, tende a sofrer de desgaste precoce”, exemplifica o médico Dr. David Gusmão. 

A luxação congênita do quadril atinge principalmente as mulheres, embora também possa ser vista em pacientes do sexo masculino. 


O surgimento de doenças articulares como a artrose também pode estar relacionado a outras patologias: “outro caso são algumas doenças sanguíneas que podem causar osteonecrose, que consiste na morte de um segmento ósseo causada pela perda de suprimento de sangue”, explica o Dr. David Gusmão. “Também existem algumas doenças do colágeno e doenças reumatológicas que são transmitidas geneticamente e podem gerar artrose”, pontua. 

Sobre David Gusmão

Dr. David Gusmão (CREMERS 24792) é Médico Ortopedista, especialista em Quadril e Cartilagem. Formado em Medicina pela PUC do Rio Grande do Sul e com diversas especializações nos Estados Unidos e Europa. A sua missão é preservar a função do quadril com as melhores e mais modernas técnicas da medicina.  

Please follow and like us:
Pin Share
Esta entrada foi publicada em Informe científico. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.