Anvisa amplia prazos de validade de vacina contra Covid-19

A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou a validade de 15 meses para os lotes da vacina Comirnaty (Pfizer/Wyeth) contra a Covid-19. O objetivo, segundo a Anvisa, é acelerar a oferta de vacinas para a população brasileira. A medida, publicada nessa segunda (10), vale para as doses já importadas e distribuídas pelo Ministério da Saúde (MS) com prazo de validade de 9 ou 12 meses impresso na embalagem da vacina, na apresentação adulto (tampa roxa). A nova validade também será aplicada para as próximas doses que forem importadas com essas mesmas características. Já o prazo de validade de 12 meses da vacina Comirnaty pediátrica, nas apresentações com tampa laranja e vinho, não foi alterado.

Setembro foi o segundo mês do ano com os menores registros semanais de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), desde o começo da pandemia. É o que mostra o novo boletim InfoGripe, publicado pela Fiocruz (10). De acordo com o informativo, nas últimas quatro semanas epidemiológicas, 21,4% dos casos de resultado positivo para vírus respiratórios foram de influenza A, 1,2% de influenza B, 11,2% de vírus sincicial respiratório e 41,6 % de SARS-CoV-2, o vírus causador da Covid-19. 

O boletim observa o aumento da incidência do vírus influenza A na Bahia, no Goiás, em Minas Gerais, em São Paulo e no Distrito Federal. Já com relação à Covid-19, o número de casos também está em queda. Segundo dados do MS, houve uma redução de 19% na média móvel da primeira semana de outubro, em relação à quinzena anterior. 

Ainda de acordo com o Ministério da Saúde, mais de 78% da população já se vacinou com as duas doses ou dose única da vacina. Um estudo feito pela Fiocruz, em parceria com o Instituto de Saúde Global de Barcelona, aponta que pessoas que tomaram duas doses da CoronaVac e um reforço de vacina diferente ganharam proteção consideravelmente maior que os indivíduos que receberam três doses da mesma vacina.

AUXÍLIO BRASIL E AUXÍLIO GÁS: CAIXA inicia pagamento nesta terça-feira (11)

Mês do Idoso – como viver melhor depois dos 60 anos

Para o médico e consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia, Marcelo Daher, a estratégia de usar diferentes imunizantes funciona bem não apenas para a Covid-19, mas também para outras doenças. 
“É muito importante a estratégia de misture-combine e ela está sendo usada hoje para várias vacinas, inclusive tentativa de vacina contra o HIV, vacina para Hepatite C, com essa estratégia de você utilizar vários componente antigênicos, então vacinas diferentes, para que isso fosse induzindo a produção de anticorpos para determinada doença. De maneira mais robusta, então a produção de anticorpos é mais robusta quando eu utilizo vacinas diferentes.”

A efetividade do reforço foi avaliada no estudo, em vacina de vírus inativado, que é o caso da CoronaVac, e no imunizante de RNA mensageiro, como é feita a vacina da Pfizer. A pesquisa concluiu que quem tomou as duas primeiras doses e o reforço de CoronaVac não ficou mais protegido do que já estava contra a forma sintomática da doença. Quem apresentou quadros graves de Covid-19 teve uma proteção moderada, de 74%. Além disso, essa proteção pareceu diminuir nos quatro meses seguintes.
Já quem recebeu o primeiro ciclo de CoronaVac e reforço da Pfizer ficou mais protegido. A efetividade atingiu 56,8% contra a forma sintomática e a proteção contra a forma mais grave da doença chegou a 86%. A análise mostrou ainda que a proteção pareceu perdurar por pelo menos quatro meses.

Reportagem, Lívia Braz

Fonte: Brasil 61

Please follow and like us:
Pin Share
Esta entrada foi publicada em notícias. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *