Dengue: Brasil se aproxima de 2 milhões de casos

O enfrentamento à maior epidemia de dengue já registrada no Brasil até hoje vem de todos os lados: sociedade civil e poder público. A vacina é um importante aliado, mas por conta da pequena capacidade de produção do fabricante, está acessível apenas a um pequeno público: de 10 a 14 anos. 

Segundo o Ministério da Saúde, todo estoque disponível de vacinas contra a dengue em 2024 e 2025 foi comprado. Ainda este ano serão entregues 5,2 milhões de doses, além de uma doação de 1,3 milhão de doses. O que deve permitir que 3,2 milhões de pessoas fiquem imunizadas com as duas doses que completam o esquema vacinal.

Até segunda-feira, 18 de março, 1.235.236 doses haviam sido distribuídas e, dessas, 436.149 aplicadas no público-alvo pelo Sistema Único de Saúde (SUS), o que corresponde a 35,3%. Mas o combate ao mosquito ainda é o maior desafio e precisa continuar. 

MG e DF na liderança dos casos de dengue

O estado de Minas Gerais lidera a lista com o maior número de registros da doença: 662.952 e 107 mortes confirmadas, mas a maior incidência está no DF, com 5.678 casos por 100 mil habitantes e 159.957 registros da doença. 

Quem já pegou, não esquece. Como a brasiliense Ana Beatriz de Oliveira, de 22 anos. Ela já pegou dengue três vezes — as duas últimas, este ano, foram hemorrágicas. Ela conta que os sintomas foram piorando a cada reinfecção..

“As dores no corpo nas duas primeiras vezes não foram tão fortes como foram agora. Eu estava debilitada para andar, para comer, eu estava com uma dor no olho que mal conseguia abrir. Não conseguia movimentar a cabeça rápido porque ficava muito tonta. Não conseguia fazer praticamente nada.” 

Com medo de mais uma infecção pela doença, ela conta que todos em casa mudaram os hábitos. “Hoje a gente usa tela de proteção nas janelas, olha cada cantinho da casa para ver se não tem criadouros do mosquito.” 

Cuidados precisam ser mantidos

Evitar o agravamento da dengue só é possível com o diagnóstico precoce e correto — o que precisa ser feito por um médico, como explica o infectologista Marcelo Daher.

“O momento de hidratação, o momento de parar a hidratação. Medicamentos que podem e que não podem ser feitos. Então diagnóstico correto, procurando uma unidade de saúde para que seja notificado o caso e seja buscado o diagnóstico correto é muito importante. Não existe medicamento específico para a dengue, mas existem condutas corretas e a conduta correta salva vidas.” 

O médico ainda complementa que crianças pequenas, gestantes e pessoas com comorbidades e doenças crônicas precisam estar atentos a qualquer sintoma e procurar imediatamente ajuda médica. 
 

Fonte: Brasil 61

Please follow and like us:
Pin Share
Esta entrada foi publicada em notícias. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *