Estados brasileiros recebem apoio técnico de equipes epidemiológicas para combater epidemia de arbovírus

O Ministério da Saúde enviou equipes de vigilância epidemiológica para amparar os estados que estão em alerta com a epidemia de arboviroses. Nesse momento, os primeiros estados que possuem uma equipe em campo são Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Espírito Santo e Tocantins. A próxima parada das equipes técnicas será em Santa Catarina, Rio de Janeiro e Bahia.

De acordo com a Secretaria de Vigilância em Saúde e Ambiente do Ministério da Saúde, todos os estados em situação de alerta receberão o apoio de uma equipe de vigilância epidemiológica, controle vetorial e assistência. A Organização Pan-Americana da Saúde (Opas/OMS), a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e outros colaboradores médicos integram a força-tarefa.

Entre os arbovírus mais comuns, então: a chikungunya e a dengue, que até o momento, tiveram um aumento expressivo de 97% e 48,3%, respectivamente. Por ser as duas doenças mais comuns que se espalham com facilidade, a infectologista Chris Gallafrio explica que a forma de prevenção mais eficaz contra as arboviroses, em especial a dengue, são os cuidados básicos do dia a dia, como não deixar água parada.

“Como a gente sabe, a dengue é transmitida pelo mosquito aedes aegypti, e esse mosquito é bem prevalente nas áreas urbanas onde tem água parada, então a forma de prevenção é o controle desse mosquito. Então não se deve deixar ele proliferar. É preciso evitar deixar água parada e prestar se tem algum vasinho, aqueles pratinhos com água parada que servem de local para a proliferação do mosquito”, explica a infectologista. 

Sobre os sintomas das doenças, a médica esclarece que são os clássicos de sempre: dor de cabeça, predominantemente atrás dos olhos, dores no corpo, sendo musculares e nas juntas, febre e manchas vermelhas pelo corpo. 

A moradora de Águas Lindas de Goiás, Mariana Carvalho (25), foi vítima do mosquito. Ao sentir muita dor e febre, foi ao médico e constatou que pegara a dengue. Ela conta que foi extremamente delicado, principalmente por ter que repetir exames com frequência, além de adquirir o medo de ser contaminada novamente. 

“Meus sintomas da dengue começaram com febre e muita dor. Tive febre dois dias seguidos, e aí eu fui ao médico. Eu sentia muito mais dor no corpo inteiro do que uma febre normal. Minha maior dificuldade durantes esses dias foi ter que fazer exames de dois em dois dias porque quando você tem dengue, suas plaquetas diminuem e você tem que fazer a contagem delas frequentemente, e fazer isso durante a dengue é muito difícil pois você sente um cansaço extremo, uma dor extrema. É muito difícil se levantar. E depois que você pega, a grande preocupação é não pegar de novo, porque a segunda vez pode ser muito mais grave”, adverte. 

Além das equipes de apoio nos estados, o Ministério da Saúde instalou o Centro de Operações de Emergências (COE Arboviroses) com o objetivo de elaborar estratégias de controle e redução de casos graves e mortes. 
 

Fonte: Brasil 61

Please follow and like us:
Pin Share
Esta entrada foi publicada em notícias. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *