Queda da inflação e pautas econômicas no Congresso aumentam otimismo da indústria

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) alterou a previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 1,4% para 2,2% em 2023. A mudança é resultado do desempenho da economia brasileira no primeiro semestre do ano. Nos três primeiros meses, PIB avançou 1,9%, reflexo do desempenho agropecuário. De acordo com o economista e coordenador acadêmico da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Mauro Rochilin, três fatores são responsáveis pelo otimismo do setor industrial.

“O primeiro deles é a queda da inflação. Essa queda ajuda a recuperação do poder aquisitivo da população e, portanto, acaba por ter óbvios efeitos sobre o consumo. E claro que havendo melhora no consumo, isso vai produzir reflexos na indústria. O segundo fator diz respeito ao novo arcabouço fiscal, que traz uma maior segurança no que se refere à política fiscal e à política de gastos do governo. Ele projeta uma política mais responsável e, com isso, sugere uma menor aversão ao risco. O resultado de uma menor aversão ao risco, naturalmente, é um incentivo ao investimento”, explica. 

O economista aponta ainda a reforma tributária como elemento que, além de recuperar a confiança, deve contribuir também para o crescimento da indústria.  A PEC 45/2019 foi aprovada na última sexta-feira (7), na Câmara dos Deputados. Nesta terça-feira (11), o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), anunciou que o senador Eduardo Braga (MDB-AM) será o relator da proposta na Casa. 

“No que se refere à retomada da indústria especificamente, a possibilidade da indústria voltar a crescer no país, acredito que a desoneração tributária pode ajudar. E, nesse sentido, a reforma tributária desempenha um papel importante, na medida em que houver uma menor taxação, uma menor tributação sobre a produção e uma maior tributação sobre a renda, isso pode se traduzir em menores custos e, consequentemente, em maior competitividade da indústria”, argumenta Mauro Rochilin. 

A redação que começa a ser analisada pelos senadores após o recesso parlamentar unifica os cinco principais impostos sobre o consumo de bens e serviços no novo Imposto sobre Valor Agregado (IVA) Dual. De um lado, IPI, PIS e Cofins, da União, dão origem à Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS). Do outro, ICMS (estadual) e ISS (municipal) formam o Imposto sobre Bens e Serviços (IBS). A alíquota do IVA, ou seja, o percentual de imposto que incidirá sobre os produtos e serviços, ainda será definida por lei complementar. Os cálculos iniciais de economistas apontam para algo em torno de 25%. 

Câmara dos Deputados aprova PEC da reforma tributária em dois turnos
Cesta básica, indústria e impostos: entenda o que muda com a reforma tributária
Inflação oficial medida pelo IBGE tece queda de 0,08% em junho

Inflação

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), divulgado nesta terça-feira (11), mostra queda de 0,08% e registra a primeira deflação de 2023 em junho. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), responsável pela pesquisa, os grupos “Alimentação e Bebidas” — influenciados, principalmente, pelo recuo nos preços da alimentação no domicílio — e “Transportes” — resultado do recuo nos preços de automóveis novos e usados e queda dos combustíveis. 

Para o deputado federal Júlio Lopes (PP–RJ), membro da Frente Parlamentar Brasil Competitivo, a melhoria nos principais indicadores reflete o aumento da confiança não apenas do setor industrial. 

“A gente tem aí, nesse passado próximo dos últimos três meses, uma queda muito substancial do dólar, uma queda substancial da inflação. Tem também a melhora na expectativa do PIB para o crescimento de 1.5% para 2,2%, 2,3%, que já é bem melhor. Então, há um conjunto de melhorias significativas nos principais indicadores do mercado e, obviamente, a comunidade industrial também entra nesse contexto”, ressalta o parlamentar. 

Confiança da Indústria

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) mostra que 17 dos 29 setores da indústria estão confiantes. Segundo a pesquisa, houve uma transição da falta de confiança para a confiança em junho. O resultado quebra uma sequência de três meses de falta de confiança na indústria, que aconteceu entre março e maio de 2023, de acordo com a pesquisa divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). 

Também houve avanço em todos os componentes do ICEI. A pesquisa mostra que o Índice de Condições atuais avançou 1,1 ponto, para 44,2 pontos. Apesar da alta, o índice segue abaixo da linha divisória dos 50 pontos, que separa pessimismo de otimismo. Já o Índice de Expectativas subiu 1,3 ponto, para 53,5 pontos — o que indica otimismo da indústria para o segundo semestre de 2023. 
 

Fonte: Brasil 61

Please follow and like us:
Pin Share
Esta entrada foi publicada em notícias. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *