Uso de cosméticos inadequados em crianças: será que os pais conhecem os riscos?

Cientista, Jackeline Alecrim, explica as consequências e dá dicas de como escolher o produto certo

Ao escolher xampus e condicionadores, por exemplo, pode-se perceber uma enorme variedade de produtos específicos para crianças. A cientista Jackeline Alecrim, explica que é importante a existência dessas diferenciações porque a pele das crianças tem particularidades e exige cuidados redobrados na hora da escolha dos cosméticos. “Apesar de ser uma superfície corporal externa, a pele apresenta alta capacidade de absorver substâncias, permitindo que alcancem a corrente sanguínea e, no caso das crianças, a pele é ainda mais permeável, o que aumenta o risco de alergias e reações indesejáveis”, detalha.

Os cuidados devem, ainda, ser adequados a cada faixa etária, visto que a maturação tecidual da pele ocorre de maneira gradativa. “Aquela máxima: ‘Mas já usei e nunca aconteceu nada’, não se aplica aqui, já que estas reações podem ser silenciosas, acumulativas e tardias, fazendo com que os pais não associem a sua ocorrência ao uso”. De acordo com ela, ao utilizar produtos inadequados as crianças podem desenvolver uma maior predisposição a alergias, irritação ocular, queimaduras e até necrose hemorrágica, em casos mais graves.

No Brasil, a Agência Nacional da Vigilância Sanitária (ANVISA), é a responsável por fiscalizar e regularizar os produtos. Porém, mesmo sendo regulamentados, é importante que o consumidor esteja atento às especificações de cada um. “Quanto maior for a presença de conservantes, maior o risco. Os conservantes são apontados como as substâncias   mais sensibilizantes e com maior potencial de causarem alergias e dermatites de contato em crianças”, exemplifica a cientista.

Além disso, por mais que seja tentador escolher os produtos coloridos e perfumados, Jackeline defende que corantes e perfumes estão no topo da lista de substâncias que podem prejudicar as crianças. “Quando for escolher sabonetes e produtos para higienização de crianças, dê preferência a formulações líquidas, suaves, que não provoquem ardência nos olhos. Sabonetes em barra, são mais irritantes, podem provocar rompimento da camada superficial lipídica da pele. O uso excessivo de formulações a base de glicerinas, também deve ser evitado, já que, o acúmulo de glicerina na pele pode levar a um efeito rebote que faz com que a pele fique ressecada e irritada”, explica.

Por fim, a cientista alerta para os riscos envolvendo os produtos de beleza  infantis.  “Maquiagens devem possuir baixo poder de fixação e ser facilmente removidas da pele com água, os esmaltes permitidos para crianças são à base de água de modo que saem sem a necessidade de removedor, já que os destinados a adultos possuem solventes que podem ser altamente tóxicos, atravessando facilmente as frágeis barreiras da pele infantil”, conta.

Sobre Jackeline Alecrim

Jackeline Alecrim é cientista e especialista em Cosmetologia Avançada; fundadora da empresa de cosméticos Magic Science Brasil, que é destaque nacional e internacional pela eficácia clínica de seus produtos. Jackeline também faz sucesso com dicas de saúde capilar nas redes sociais, contando com mais de 90 mil seguidores no instagram.

MF Press Global

Consultoria, comunicação, assessoria de imprensa e artística

Consultoria, comunicação, assessoria de imprensa e artística

Consultoria, comunicação, assessoria de imprensa e artística

www.pressmf.global – [email protected] 

COVID-19: Brasil vacina 80% da população alvo com duas dosesBloqueado

Ajude-nos a crescer! Compartilhe esta matéria com seus amigos no Facebook clicando no botão abaixo para desbloquear o conteúdo automaticamente. Compartilhar é grátis!

Clicando no botões você concorda com os termos de uso e política de privacidade
Please follow and like us:
Pin Share
Esta entrada foi publicada em notícias. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.