Volume de serviços se recupera e cresce 0,4% em março

O volume de serviços prestados no país cresceu 0,4% em março, após um recuo de 0,9% em fevereiro de 2024. Nos três primeiros meses do ano, o crescimento foi de 1,2% na comparação com o mesmo período de 2023. Os dados são da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) divulgada pelo IBGE. Na avaliação do economista do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV Ibre) Stéfano Pacini, apesar do aumento modesto em março, o cenário é positivo para o setor.

“Esse resultado é uma tendência que vem tendo no setor de serviços. O setor de serviços sobe um pouquinho, cai um pouquinho; melhora um pouco, piora um pouco. Mas ele tem uma leve tendência de melhoria.”

No acumulado dos últimos 12 meses até março, o crescimento foi de 1,4%. Mas, na comparação com o volume registrado em março de 2023, houve queda de 2,3%. O gerente da pesquisa do IBGE, Rodrigo Lobo, explica o recuo. 

“Esse resultado de queda mais expressiva é reflexo de uma menor quantidade de dias úteis observados, já que a gente teve 23 dias úteis em março de 2023 contra 20 dias úteis em março de 2024. Isso reflete então em uma menor quantidade de contratos de prestação de serviços.”

Atividades 

Segundo o gerente da PMS, Rodrigo Lobo, a expansão do volume de serviços em março em comparação com fevereiro de 2024 aconteceu de forma difusa, já que quatro das cinco atividades investigadas apresentaram aumento. 

“Os destaques ficaram com os serviços de informação e comunicação impulsionados pelo avanço das empresas que atuam com serviços de tecnologia da informação, como por exemplo consultorias em tecnologia da informação, desenvolvimento e licenciamento de softwares”, afirma Rodrigo Lobo.

De acordo com a PMS, o setor de informação e comunicação cresceu 4,0% em março, o que compensou a perda de 2,5% registrada em fevereiro deste ano. Para o economista Stéfano Pacini, essa melhoria se deve às mudanças de comportamento e consumo durante a pandemia.

“Foi um segmento que — com o nosso novo normal, com as nossas mudanças no dia a dia — se desenvolveu com maior velocidade, teve uma recuperação muito forte, até porque foi necessário a demanda por esse tipo de serviço.”

Os dados da PMS mostram ainda que o volume de serviços dos profissionais, administrativos e complementares cresceu 3,8% e recuperou a queda de 2,1% no mês anterior. Os destaques são os ramos de administração de negócios em geral, serviços de engenharia e empresas que atuam com programas de fidelidade e cartões de desconto.

O engenheiro civil Luan Campos Ferreira possui um escritório próprio na cidade de Arceburgo, interior de Minas Gerais, onde atende desde 2019. Na avaliação do empresário, o volume de serviços aumentou.

“Tenho obtido inúmeras visitas de clientes para fazer orçamentos, tanto para projetos como para execução de obras, porque trabalhamos também como construtora e incorporadora de imóveis. Arceburgo vem recebendo diversos investimentos, tanto no setor agrícola como no setor metalúrgico; várias empresas estão se instalando na cidade e, consequentemente, aumenta o número de moradias necessárias para suprir essa demanda.”

Outras atividades

Os dados da PMS mostram que o setor de transportes também contribuiu — mesmo que modestamente — com o crescimento do volume de serviços em março, com uma variação positiva de 0,3%. O resultado se deve principalmente pelo transporte rodoviário coletivo de passageiros; transporte ferroviário de cargas e transporte dutoviário.

O resultado geral de março também foi impulsionado pelo crescimento de 0,6% vindo dos serviços prestados às famílias, especialmente pelos restaurantes. As atividades classificadas como “outros serviços” ficaram estáveis com variação nula (0,0%).

Já o índice de atividades turísticas também teve uma modesta variação positiva de 0,2% em março, na comparação com fevereiro, após dois meses seguidos de recuo. No acumulado do primeiro trimestre de 2024, a alta foi de 0,4% em relação ao mesmo período de 2023. 

“A gente tem uma variação muito pequena. Eu não gosto nem de falar que 0,2% é uma melhoria. Eu acho que é uma acomodação, uma leve estabilidade do indicador. Mas eu acho que o período de férias realmente foi maior e tem uma questão de sazonalidade”, avalia o economista da FGV Ibre.

Análise por estado

Na análise por estado, 13 das 27 unidades da federação registraram alta no volume de serviço em março na comparação com fevereiro. Os destaques positivos foram Espírito Santo (5,1%), Minas Gerais (1,2%), São Paulo (1,1%) e Rio de Janeiro (1,1%). Por outro lado, Mato Grosso do Sul (-9,7%), Mato Grosso (-7,6%), Distrito Federal (-4,0%) e Rio Grande do Sul (-3,6%) tiveram os piores resultados.

https://flo.uri.sh/visualisation/17960683/embed

Made with Flourish

Pós-pandemia

A PMS também mostra que o volume de serviços em março ficou 12,1% acima do nível pré-pandemia (marco em fevereiro de 2020). Para o economista Stéfano Pacini, a melhoria mais expressiva já passou, mas o setor ainda tem potencial de crescimento. 

“Quando acabaram todas as restrições de mobilidade, o consumidor se sentia completamente seguro de ir ao restaurante, de fazer uma viagem com a sua família. Então, eles tinham essa demanda reprimida e foi um dos segmentos que tornou o setor de serviços mais resiliente no ano passado. O boom de melhoria acho que já passou, mas não quer dizer que esgotou totalmente.”

Para os próximos meses, o economista Stéfano Pacini avalia que o setor deve continuar crescendo, apesar do impacto das chuvas e enchentes na Região Sul. 

“A indústria é muito importante no Sul: indústria de alimentos, arroz, feijão, etc. E os produtos precisam ser transportados. Então, pode ser que o transporte de carga tenha uma dificuldade. [Mas] a gente tem um ambiente econômico favorável, em contrapartida, de melhoria na renda, melhoria nas taxas de desemprego, uma inflação controlada, redução do endividamento. Isso traz segurança para o consumidor e pode ser que, principalmente, o setor de serviços prestados às famílias se mantenha como o setor mais resiliente nesse ano também.”

IPCA foi de 0,38% em abril; aponta IBGE

Inflação aumenta em cinco das sete capitais que compõem o IPC-S, segundo a FGV

Número de cervejarias no Brasil continua no maior patamar da história

Fonte: Brasil 61

Please follow and like us:
Pin Share
Esta entrada foi publicada em notícias. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *